• denuncias
  • peticionamento
  • Mediação
  • mov procedimentos
  • autenticidade de documentos
  • administracao publica
  • fraudes trabalhistas
  • liberdade sindical
  • meio ambiente
  • promocao igualdade
  • trabalho escravo
  • trabalho infantil
  • trabalho portuario
  • planejamento-estratgico-
  • MPT adm banner dimensionado
  • peticionamento

Evento destaca a importância do autista no mercado de trabalho

A inserção no mercado de trabalho é direito das pessoas com deficiência (PCD) garantido por lei. Entretanto, elas ainda encontram dificuldades em alcançar a independência financeira porque muitas empresas não cumprem a legislação. Entre aqueles que enfrentam o desafio da inclusão nas vagas de trabalho, os autistas estão entre os PCDs mais discriminados. Como forma de sensibilizar a sociedade e divulgar cursos de profissionalização para auxiliar nessa inserção, o Ministério Público do Trabalho no Piauí realizou o evento Autismo e Mercado de Trabalho na manhã desta sexta-feira (23) no auditório do Centro Reabilitar - CEIR.

Na ocasião, a procuradora do Trabalho Jeane Carvalho destacou a importância da inclusão do autista no mercado de trabalho. Segundo ela, o caminho para a real inserção da pessoa com deficiência (PCD) ainda é longo. "Diversas empresas alegam que não tem PCD querendo emprego. Mas elas não querem ter o trabalho de adaptarem-se a eles. Entretanto, são as instituições que devem se adaptar. É o inverso que deve acontecer, pois as instituições têm uma missão social a cumprir", explica.

As palestras fazem parte do projeto “Autismo e Mercado de Trabalho” do MPT no Piauí, que surgiu a partir da demanda das famílias junto ao órgão. "Já havia algo parecido no Rio Grande do Sul, porém não existia um modelo a ser seguido. Foi preciso sentir a necessidade local para poder agir", a procuradora relata. Além das palestras, também foram apresentados cursos de profissionalização promovidos pelo SENAC e SENAI.

Sheila Oliveira, da Escola Viva, frisou os benefícios de contratar autistas. Ela conta que os ganhos são mútuos. "Para o autista, a inclusão influencia na sua autoestima e ele passa a fazer parte de grupos sociais, além da família e da escola, bem como desenvolvem habilidades e conquistam independência financeira. Por outro lado, a empresa que busca a inclusão é bem vista. Seus integrantes aprendem a lidar melhor com as diferenças, estimula o trabalho em equipe, o que traz leveza ao ambiente de trabalho e valorização da empresa. Todos ganham", ela garante.

O evento aconteceu em parceria com diversas instituições, como o Centro Reabilitar - CEIR. Walter Oliveira é superintendente administrativo financeiro do Centro e pai de uma criança autista. Para ele, a luta não é por cura ou aproximar o comportamento do autista daquele considerado comum, mas uma busca para que a sociedade acolha essas diferenças. "O CEIR, além da reabilitação, se preocupa em participar da luta pela inclusão. Temos que lutar desde já para que as crianças autistas sejam aceitas e a sociedade colabore das mais diversas formas. Minha preocupação como pai é que um dia eu não estarei mais aqui. Como meu filho irá se integrar ao mercado de trabalho?”, questiona.

Ana Cândida tem autismo leve e deu seu depoimento sobre a importância da inclusão. "Comecei a trabalhar há mais de 10 anos após me formar na área de psicologia. Não foi uma boa experiência. Na época, eu ainda não havia sido diagnosticada. Enfrentei preconceitos antes e após o diagnóstico. Depois, encontrei um trabalho mais condizente com a minha realidade, como secretária executiva, mais burocrática. Tem sido ótimo", ela declara.

Imprimir

  • banner pcdlegal
  • banner abnt
  • banner corrupcao
  • banner mptambiental
  • banner transparencia
  • banner radio
  • banner trabalholegal
  • Portal de Direitos Coletivos